Motivada pela Rede AB, Sulista Transportadora alavanca projeto interno de diversidade


Companhia trabalha para ter mais mulheres em sua operação, não apenas na área administrativa

A equidade de gênero é um tema cada vez mais forte dentro do ambiente corporativo. Na direção dessa tendência, a Sulista Transportadora criou o projeto Diversidade em Movimento com o objetivo de atrair e ampliar o quadro de mulheres na frente operacional da empresa, como motoristas. A iniciativa engloba investimento em infraestrutura e adaptação de rotas para reforçar a ideia de que as mulheres podem estar onde quiserem, inclusive ao volante.


A companhia aponta que os primeiros passos do novo programa foram consolidados com a contratação de duas motoristas do sexo feminino para as rotas de Joinville-Araquari e em São José dos Pinhais para operações Just in Time. A empresa está com vaga aberta para a contratação de mais uma profissional.


Para proporcionar a adaptação e retenção das colaboradoras, a transportadora adaptou o hotel de trânsito em São Paulo. Dos quatro quartos coletivos disponíveis no local, um deles passou a ser exclusivo para mulheres. A empresa também ajustou as rotas para que as colaboradoras atuem em trajetos urbanos.


“Não é muito fácil encontrar motoristas carreteiras. Nosso objetivo é ter motoristas mulheres que permaneçam conosco, que tenham condições de trabalhar e cuidar das questões pessoas, como a casa e a família. Nossa estruturação está acontecendo com muito zelo e atenção”, afirma a diretora executiva da Sulista Transportadora, Josana Teruchkin.



EM BUSCA DE MAIS DIVERSIDADE

Além da questão de gênero, a empresa também está investindo em ações para pessoas com deficiência. Uma das estratégias da empresa para alavancar o Diversidade em Movimento é a divulgação e inserção dos clientes no projeto. “É a forma que encontramos de sensibilizar o mercado e nos tornar uma empresa embaixadora da diversidade”, disse Josana.


De acordo com a Sulista Transportadora, atualmente 14% do quadro de funcionários da empresa é composto por mulheres que atuam na administração, mas na área operacional havia uma lacuna que o novo projeto busca preencher.


A diretora executiva explica que a ideia surgiu ao entrar na Rede AB Diversidade. “Soubemos como as grandes empresas estão investindo e a importância que a diversidade tem no desenvolvimento do negócio e na inovação. Começamos a contratar motoristas mulheres para aumentar a presença de mulheres também na operação porque entendemos que a expansão da diversidade na empresa, em áreas culturalmente masculinas, é necessária.”

167 visualizações